Ir para o conteúdo
Início
/
Notícias
11-02-2021

Crónicas de Rádio- Estamos obrigados a ficar em casa… e agora?

Estamos num novo confinamento geral, ou seja, obrigados a ficar em casa. A casa deveria ser o nosso Porto Seguro, onde nos sentimos protegidos e por isso mais tranquilos.

Mas sabemos que não são só estes os sentimentos que temos: também estamos preocupados, tristes, inquietos e com muito medo por nós e pelos Nossos familiares e amigos.

Quando nos sentimos assim, em baixo, sem vontade, com pouca energia … as nossas rotinas alteram-se. Perdemos o apetite ou comemos demais; não conseguimos dormir bem, ou pelo contrário dormimos demais. Deixamos de cumprir os horários, de ter rotinas e muitas vezes fazemo-nos acompanhar pela televisão e pela rádio para não nos sentirmos tão sozinhos; outras pessoas podem sentir a necessidade de aumentar o consumo de bebidas alcoólicas, café, ou tabaco, pois acreditam que assim vão conseguir diminuir a sensação de nervosismo, descontrair, “esquecer” os problemas e ganhar mais energia para conseguirem ultrapassar as suas dificuldades. Mas pode acontecer o contrário, irritarmo-nos mais facilmente, tudo parecer incomodar-nos o barulho, a proximidade das outras pessoas. A irritabilidade pode acentuar a tendência para discutir por tudo e por nada e no limite, o descontrolo da situação poderá levar a agressões.

Nesta situação, procure afastar-se. Se possível saia para dar uma caminhada a pé, sempre de máscara, de modo a acalmar-se e readquirir o controlo sobre si. Se não puder sair, afaste-se e ligue a um amigo até se sentir novamente seguro de si e dos seus atos.
Sentimo-nos cansados, exaustos e podemos pensar que isto não vai terminar. Podemos sentir-nos fartos de tantas regras, de tantas imposições e chegar ao limite de desvalorizarmos as medidas de segurança e proteção. É preciso ser resiliente e acreditar que se conseguirmos manter os comportamentos protetores estaremos a contribuir para retomar a nossa vida em segurança.
O que precisamos saber e como podemos fazer para lidar com as exigências do estar obrigado a ficar em casa:

• É normal sentir inquietação, agitação, irritabilidades, pouca paciência – Chama-se Ansiedade, e é provocada pelo medo e insegurança, e pode dar sensações físicas como dor de cabeça, dores musculares, coração acelerado, fraqueza muscular, dificuldade em dormir e acordar muitas vezes durante a noite.
• É normal estar preocupado, estar cansado de pensar e de ter de fazer escolhas, tomar decisões.
• É normal sentir-se triste, ter vontade de chorar, e preferir estar só, sentir pouca energia.
Apesar de todas estas sensações, emoções e pensamentos serem esperados dado o momento difícil que estamos a viver, há atitudes e comportamentos que podemos ter e que diminuem a sensação de mal-estar físico e psicológico.
É Muito Importante Cuidarmos de Nós, dos Nossos. Cuidarmos de Todos.

Como podemos fazer:
 Manter os horários das atividades de vida diária: hora de dormir, de acordar, das refeições, entre outras.
 Conseguir dormir entre 7h e 9h por noite. Um sono de qualidade significa que ao acordar deve sentir-se com energia, e repousado.
 Manter os hábitos de higiene e, mesmo que seja para estar em casa é importante que cuidemos da nossa aparência física.
 A alimentação deve incluir legumes, frutas, carne, peixe, ovos, pão e líquidos, no mínimo 1litro e meio, entre água e chá para se manter hidratado.
Devemos reduzir o consumo de álcool, tabaco e bebidas estimulantes como café, bebidas energéticas.
 Fazer atividades que nos façam sentir bem: cozinhar, costurar, tricotar, bordar, cuidar das flores, cultivar, ler, ouvir música, dançar, observar a rua, a natureza, cuidar e mimar os animais de estimação, caso os tenha.
 Só ouvir as notícias uma vez ao dia, e de preferência no período da manhã.
 Sair de casa para dar uma pequena caminhada uma vez por dia, sempre de máscara e distanciado de outras pessoas.
 Viver um dia de cada vez.
 Telefonar a familiares e amigos para conversar e manter contatos sociais sem medo de estar a incomodar.
 Tente não culpabilizar, não afastar, não criticar pessoas que saiba que ficaram infetadas com a Covid19. Ninguém escolhe ficar doente. Seja solidário.
 Se precisar de ajuda, procure uma pessoa da sua confiança e converse sobre o que a/o preocupa. Não tenha medo de estar a incomodar. Todos precisamos uns dos outros.
 Se se sentir doente ligue para o Centro de Saúde e procure ajuda dos profissionais de saúde ou para a linha da saúde 24.
 Se se sentir em sofrimento psicológico: medo, angústia, tristeza, desespero, desesperança, incapacidade de resolver os problemas, medo de fazer mal a si mesmo ou aos outros ligue gratuitamente para o 800 210 127 – Linha de Apoio Psicológico do Município em funcionamento das 10h às 20h, de segunda-feira a domingo. Será atendido por um psicólogo que o poderá ajudar.

Se cada um de nós cuidar de si, estaremos a cuidar de todos, com todos.
Todos agradecemos! Obrigada por ficar em casa e respeitar as orientações da Autoridade de Saúde.


Partilhar:
Ir para o topo
libero vulputate, felis pulvinar Donec consectetur fringilla quis